domingo, 19 de julho de 2009

A noite mudou de cor.


Sim, sim... E quem disse que não poderia ser diferente?

E nesse vai e vem de histórias, às vezes até um pouco cansativa, resolvi deixar de lado os contos para, literalmente, entrar dentro deles.
Fazer alguma coisa que me faça sentir que esse blog deu certo. Pelo menos pra mim.

Por que pra você(s)... É muito relativo. E com certeza não será um problema de que eu irei me preocupar. XDD

‘‘XDD’’

Para o gay que me disse isso, que me faz rir com todas essas novidades ‘‘a lá emo’’ dele... Puxa, que cara legal.

E nesse vai e vem de histórias, precisamente nesse exato momento, estou passeando de carro por entre essas arvores e com o máximo de atenção para não bater em nenhuma delas. Pensei que dirigir era mais prazeroso (não posso dizer muito, por que não passei de 80 km...), mas tenho que dizer que houve uma melhora significativa em relação a ultima vez!

Enquanto me preparo para mais uma noite cinza, me vem a salvação: ‘‘bebedeira com amigos? To lá!’’. Não foi tão ‘‘revoltoso’’ como parece. Foi legal, sabe. Para descontrair.

Enquanto alguns me procuram do outro lado da cidade, eu fico desse lado esperando um retorno, mas ao mesmo tempo querendo aproveitar o máximo dessa nova cor: verde.

Esse verde veio com um pouco de amarelo e azul. Definitivamente, sou brasileiro. E até que estou vendo certa compreensão nessas cores da bandeira. Que mudança.

E já que estamos falando em mudança de sintonia, de geração, é preciso deixar as minhas obceções nos últimos posts, mesmo. Não deu pra segurar, nem eu entendi, também. Mas aquilo foi muito importante, como vivência e tudo. E eu digo isso também como um iniciante no ramo de blogs.

Vivendo em segredos, como sempre, deixo aqui um que talvez seja o ultimo ‘‘até logo’’ no meio desse mato, por uns tempos. Passei o tempo suficiente por aqui. E vou sair de um jeito diferente, assim como defino a estadia dessa vez.

Não será a ultima. Não existe esse negócio. Nem quando você realmente quer que seja. É osso (H).



''Take me down to the Junior's Farm.''

-Wings.


''Eu também!''

-.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Enganei você!

Na verdade não, eu só quis tentar enganar agora...

E parece que essa tal de não existe mais, então para que continuar falando dela?
Existem outros peixes no oceano \o/

E pra ser sincero, acabo de conhecer mais um:

‘’Ela estava feliz. Só naquele dia sua boca ficou em formato semicircular mais do que em toda a sua vida. O pequeno garoto em seus braços a fazia se sentir bem diferente.
E ela veio falar comigo. Como era de costume de tempos em tempos. Fiquei feliz por ela também, apesar de ainda não ter superado a perda da última história (fracassada, diga-se de passagem).

Mas o importante é que de todas aquelas noites passadas em claro pensando no que havia acontecido e no que provavelmente iria acontecer. Inúmeras possibilidades de novas situações, enfim... Ver aquele rosto branquinho e macio no aconchego de sua nova mãe fez com que a angústia saísse de dentro de mim e cedesse espaço para uma natureza mais alegre, mais colorida.

Chega de cinza por essa semana. É difícil que fique assim por um tempo. Mas é um ciclo que já estou acostumado. E depois disso sempre vem alguma coisa boa, para que prepare o terreno para esse cinza, novamente.

E então, é só continuar vivendo, deixar que vida o guie para algum lugar que o esconda da vergonha, como já dizia aquele cara, lá... ’’

Vida. Seja meu escudo.
-Magic.

Black Metal. Me deixe surdo.

-.

Carta que acabei de receber. Por mais arco-íris que tenha sido nos fins de tarde nesse lugar, as noites sempre parecem estar contra mim. E olha que conheço bem certas noites...

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Não achei que você iria demorar tanto tempo pra voltar.

Assim que saiu do banheiro, a pequena se deparou com um bilhete em cima de sua cômoda, tentou reconhecer a letra, mas fracassou. Mesmo assim tentou ler com a máxima atenção:

‘’Minha pequena;
Você provavelmente deve estar com muito sono, mesmo tentando o máximo que pode para permanecer acordada. E ainda tentando prestar atenção neste bilhete. Pois saiba que admiro muito essa sua persistência e que seria muito útil, para nós dois, se continuasse assim.
Eu sou fraco. Perdi. Não te mereço. Acho que temos muitos problemas e que não seria sincero se continuássemos juntos. Aquela diversão que tínhamos quando nos conhecemos não parece ser tão divertida agora. Eu reconheço como fui ignorante por pensar que se divertir significava, de fato, se divertir. Aprendi comigo mesmo que isso não é verdade.
Diga que não é verdade;
Provavelmente estou bem longe, agora. Irei me entregar ao destino e que ele saiba o que fazer de mim. Você será esperta, e não dou alguns meses para que esteja tocando a vida e esquecido completamente de mim. Todo esse tempo eu nunca achei que fossemos tão próximos como pensávamos que éramos. Por mais íntimos que fossemos, ás vezes sentia que éramos apenas colegas de quarto.
E por mais triste que isso possa soar, se fosse alguns anos atrás eu estaria pensando na tamanha besteira que acabei de fazer. Mas só mesmo o tempo para nos fazer mudar de ideia. Se isso tudo fosse para te deixar sozinha, eu nunca faria isso. Sei que você terá aconchego. E dos melhores.
Cabe agora me despedir, mesmo desse jeito. Eu amo e amarei para sempre a minha pequ...’’

O resto não interessava mais. Com suas lágrimas de sangue queimou aquele bilhete sem precisar de fogo. Seu ódio já era quente o bastante para que ocorresse a combustão. Era mais uma relação fracassada. Que fosse a última, pelo menos.

''Homens, me dá vontade de vomitar quando dizem algo desse tipo.''
-Pigs

''Mulheres, sempre acreditando em tudo que lêem.''
- .

Sinceramente? Eu não sei se isso aconteceu antes ou depois do último post. Eu só estou escrevendo o que me disseram. Não dá pra colocar tudo isso em ordem, oras. Alguém esqueceu de me contar como se faz.

sábado, 4 de julho de 2009

Dúvidas


''Logo estarei em casa, não se preocupe''. Durante toda aquela noite pensava nessa frase que lhe foi dita à algum tempo, mas que desde então não saíra de sua cabeça. Fora deixada sozinha por todos que a conheciam. Era a chegada de uma nova era: a do exilamento total em sua casa urbana, acima de tudo, onde poderia observar todos os pequenos detalhes de seus vizinhos, dos moradores ao seu redor, e o que aqueles pequenos feixes de luz queriam lhe dizer. Por mais escuro que estivesse, haveria sempre algo criando um clarão que tentasse lhe mostrar que não haveria um final simplório, passado em branco. ''Tudo tem algum sentido, não se preocupe''.

E por mais que tentasse ver que ela não era um ponto invisível no meio de uma imensidão de pessoas, a dor aumentava. Angústia de ver tudo dar certo, desde que não a atingisse de alguma forma. Era incrível como seu pensamento era a sua própria armadilha.

Não gosto de usar a palavra ''solidão'' para descrevê-la. Definitivamente, não era pra tanto. Sua mente lhe mostrava que nem sempre estaria cercada por sorrisos e cores vivas, música alta e ambiente descontraído. E que haveria épocas em que ela deveria ser forte para aguentar o tranco. Parecia que as pessoas não a procuravam mais. Era estranho. E sua única fonte de continuar lutando havia sumido. Mas logo estaria de volta, com toda a certeza.

Sim, tudo iria voltar, desde que não fosse tarde demais. E para que isso acontecesse, deveria contar com uma mínima parcela de sorte. Ela era jovem, e tinha muito para aproveitar. Iria presenciar novas situações ou até as mesmas que já presenciara, só que de algum jeito diferente.

E assim as pessoas iam voltando, como se nada tivesse acontecido. Como se usassem uma espécie de ''pause'' em sua vida.

''As coisas sempre aconteciam como se nada tivesse acontecido''.

Ela precisou dar um tempo à essas pessoas. Ver se as coisas voltariam ao normal mais rápido.

Chegamos na parte da história que todas as outras folhas estão em branco. Ainda. Não se há notícia dela. Deixou tudo, assim como tudo a deixou. Até acharmos uma continuidade para esta, o interesse já vai estar perdido. Portanto, declaro como acabado.


''Não sei escrever fins que justifiquem os meios. Normalmente escrevo de trás para frente. Alguém esqueceu de me contar como se faz.''

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Bem vindo ao Clube \o/

Grande! Nada melhor do que começar do zero, hoje. Foi um dia pra pensar, pra refletir as atitudes. E mesmo faltando algumas horas para o dia terminar, eu o declaro acabado. Cheio. Hoje representou o ápice da minha incerteza, eis o motivo desse blog. Quero enche-lo de cores, de cinza, de risadas, de choro, palavras, sejam elas entendíveis ou não. Eu só não posso continuar guardando-as em minha cabeça. Não mais.

E nada melhor também do que começar com um título nas costas \o
Que moral, hein...

''Fonte'' em homenagem a um grande amigo meu =) Aquele que hoje me mostrou o outro lado das coisas e que mesmo não querendo fazer um favor pra mim (tem a ver com irmãs, não entendi bem), eu ainda acho que ele sabe tocar baixo! e alto também...

E se você vai querer vim aqui, também não sei. Só sei que algúem esqueceu de me contar como se faz.

Direito.
o/