sábado, 18 de setembro de 2010

Rebel Without a Cause;



Quantas coisas aconteceram. Vocês não fazem nem ideia;



Eu nem sei como começar. Talvez eu nem queira contar tudo. Os momentos são tão aleatórios que achar um enlace para ligar tudo isso fica difícil.


E percebi que falar demais estraga. Tudo.


Acho incrível conhecer alguém que gosta de falar. E faz você ficar ouvindo o tempo todo e admirando o entusiasmo da pessoa ao contar as histórias. Isso quando a coisa toda é sincera. Admiro muito.


E quando eu disse que falar demais estraga, estava referindo a mim. Eu não sei manter uma boa conversa envolvente de modo a chamar atenção das pessoas. Eu gosto de compartilhar vivências, contando apenas o necessário. Mas não é sempre que isso acontece. Quando me empolgo, acabo falando demais da conta.


É isso que estraga. Se entregar ao momento. Se ver escravo da situação, perder o controle das emoções e ter os seus sentimentos nas mãos de outra pessoa. Vê-la entediada por eles e pensando em uma boa maneira de usar essas informações contra você em um futuro próximo.


O telefone tocou. Foi um dos dez minutos mais interessantes desse ano. Não imaginava a ligação e nem que iria durar tanto tempo. Falamos sobre assuntos que ninguém entende e que ninguém concorda e sempre dá em discussão. Só que dessa vez foi diferente. As ideias bateram, (talvez por influência de outras pessoas, mas enfim) a conversa entrosou.


Vendo por um lado otimista agora que tudo de ruim já passou, foi até bom ter passado o que eu passei. Experiências estão sempre ajudando o ser humano a crescer mentalmente e impedir que faça merdas como todas as que eu citei ou deixei de citar aqui. Mas que vocês fazem uma ideia.


Passei o meu negativismo pra outra pessoa, e espero que ela faça bem proveito disso. Sendo o expectador agora é muito mais divertido, principalmente por saber o que vai acontecer daqui em diante. É como se eu fosse um ex-big brother assistindo à uma temporada nova do reality show. Que coisa.


A foto é um símbolo de que tudo se resume a James Dean. Você não precisa de mais ninguém quando você é James Dean. Mas ser James Dean tem um preço muito alto: viver até os 24 anos. Vale a pena?


Você pode tentar então um pouco de Jerry Lee Lewis para balancear um pouco as coisas. De qualquer jeito, você nuca vai se sentir completamente satisfeito. Não até virar um astro do rock e ter 3 mulheres dormindo na mesma cama que você.



É foda.